A Esquadrilha da Fumaça agitou o final de semana nas cidades de Barbacena-MG e Rio de Janeiro-RJ. Apesar do tempo fechado mais de 50 mil pessoas prestigiaram as apresentações nos dois locais. Os eventos contaram com uma programação extensa de atividades aeronáuticas para que o público conhecesse de perto o trabalho realizado pela Força Aérea Brasileira. No sábado, dia 21, os sete A-29 Super Tucano estiveram em Barbacena-MG. A cidade é sede da Escola Preparatória de Cadetes do Ar, escola de ensino médio da Força Aérea Brasileira que inicia a formação do futuro Oficial Aviador da FAB. Para os jovens que têm interesse em ingressar na EPCAR, é necessário ter entre 14 e 19 anos, no ano da matrícula. O site para o concurso é: ingresso.afaepcar.aer.mil.br. O “Sábado Aéreo da Epcar” teve um gostinho especial para o Capitão Aviador Pedro Augusto Esteves, piloto da posição número 5. “Eu sou natural de Barbacena e voar com a Fumaça na minha cidade é a realização de um sonho de infância”. Ana Esteves, mãe do piloto, acompanhou tudo de pertinho. “A apresentação foi muito linda! A realização dele é a minha em dobro”. No dia seguinte, foi a vez do “Musal Air Show”, que aconteceu no Rio de Janeiro-RJ. Há mais de 30 anos o Museu Aeroespacial abre suas portas no Campo dos Afonsos para a população local e expõe seu acervo histórico com mais de 100 aeronaves. O evento fez parte das comemorações da Semana da Asa e emocionou a costureira Célia Aparecida. “Meu pai me trazia sempre nos eventos aeronáuticos. Hoje eu trago meus netos e a emoção é ainda maior”. Reencontros O fim de semana foi também de reencontros com Fumaceiros de outras épocas. Ex-comandante da Esquadrilha, o Brigadeiro do Ar José Aguinaldo de Moura agora está à frente da Epcar. “Reencontrar a Fumaça é sempre muito bom. Passei bons momentos com essa equipe”. No Campo dos Afonsos tivemos a honra de encontrar o Suboficial Sildemar Luiz Coelho, um dos primeiros Anjos da Guarda da Esquadrilha da Fumaça. “Trabalhei na Esquadrilha lá no comecinho, ainda na época do T-6, e tenho muito orgulho e saudade dessa época”. Com a voz embargada, o Suboficial Sildemar se comoveu ao lembrar do seu ex-comandante, o Coronel Artur Braga. “Nós tínhamos uma relação muito próxima e é bom ver que construimos juntos um legado”.